Pelo Espírito Joanna de Ângelis, psicografia de Divaldo Franco

 

 

Fracassado é aquele que abandona a luta ou nega-se a travá-la.

 

Dificilmente logrará vitória quem se recusa a enfrentar os desafios do cotidiano.

 

O homem são as suas tarefas, que devem ser enfrentadas com decisão e coragem.

 

Em todo cometimento multiplicam-se as dificuldades e as problemáticas se repetem.

 

Quedas e aparentes insucessos são experiências que, repetidas, favorecem o homem com o êxito que deve perseguir até o fim.

 

Desistir do empreendimento porque se apresente difícil, significa abandonar-se a contínuos insucessos.

 

Não recear jamais, nem ceder à tentação da desistência na luta de ascensão.

 

***

 

Se queres, podes.

 

Quando te propões a realizar os labores que te dizem respeito, abres-te à vitória, que deves colimar na oportunidade própria.

 

Simon Bolívar, o excelente Libertador de quase metade da América do Sul não poucas vezes perdeu batalhas e esteve preso. Porque não desistiu, perseverando nos ideais e lutando, triunfou.

 

Benito Juarez, órfão e pobre, humilhado e sob injunções terríveis, contribuiu para a liberdade do México, mais do que qualquer outro herói.

 

Franklin Delano Roosevelt, paralítico, vitimado numa cadeira de rodas não se compadeceu do próprio estado de saúde e desempenhou relevante papel no seu país, como Primeiro Mandatário, revelando-se extraordinário libertador, durante a Segunda Guerra Mundial.

 

Édison experimentou quase 10.000 testes para lograr o êxito da lâmpada elétrica e porque insistiu sem desânimo, ofereceu à Humanidade um valioso contributo.

 

Faraday, até aos 14 anos, permaneceu numa Gráfica, na condição de encadernador. Lendo um dos livros em que trabalhava, interessou-se pela eletricidade, revelando-se pioneiro esta tecnologia de grande utilidade para a Humanidade.

 

Cervantes sofreu incompreensões e experimentou a miséria, teve os seus escritos desconsiderados, viveu em regime de mendicância para não morrer de fome, não obstante, prosseguindo, legou-nos o “Dom Quixote de la Mancha” de valor literário e filosófico inegável.

 

Camões, sem uma vista, fez-se cantor de “Os Luzíadas”.   

 

Confúcio, aos 55 anos, foi abandonado pelo seu mestre. Sem desânimo, prosseguiu oferecendo extraordinária contribuição filosófica para o pensamento universal.

 

Maomé, na busca de fiéis, padeceu terrivelmente, até que, sem abandonar a luta, espalhou o Alcorão pela Terra.

 

Buda, procurando a iluminação, provou solidão e abandono, conseguindo que a mensagem da paz passasse a impregnar as vidas…

 

A história de Jesus é por demais conhecida para que se ampliem considerações…

 

A galeria daqueles que não desistiram e confiaram na vitória que souberam esperar, é muito grande.

 

Não te abatas ante impedimentos nem persigas sucessos improvisados, imediatos, que cedem lugar a terríveis desencantos.

 

Se queres vencer superando quaisquer problemas, prossegue em paz, insistindo na ação operosa e confiante, assim conseguindo o fanal que é a meta essencial da tua vida.

 

Disse Jesus: “aquele que perseverar até o fim, este será salvo”.

 

É necessário permanecer fiel e otimista.

 

Se queres, portanto, a vitória, insiste.

 

 

 

Extraído da obra “Otimismo”, da Editora Livraria Espírita Alvorada, 1983, p. 45 a 47.

Anúncios