You are currently browsing the category archive for the ‘Downloads’ category.

Para baixar nossa sugestão de roteiro do Culto Cristão no Lar, clique aqui (arquivo .pdf).  O endereço de e-mail citado no roteiro não está mais ativo.

***

Há mais de 20 anos realizamos o Culto Cristão em nosso lar e podemos afirmar com certeza que essa reunião é fonte de bênçãos, paz e harmonia para a família.  

 

O Culto no Lar não foi criado pela Doutrina Espírita, e sim por Jesus Cristo. Sua finalidade maior é a de reunir a família para a elevação dos pensamentos ao Criador. Portanto, cada família adapta o Culto às suas crenças/religião, não havendo um roteiro obrigatório a ser seguido. É importante que sejam fixados dia e horário adequados para os participantes. Após estabelecidos, o dia e o horário não devem ser mudados, facilitando a aquisição do hábito. Recomenda-se que o Culto não seja longo.

 

Disponibilizamos aqui no blog o roteiro da reunião que fazemos em nosso lar uma vez por semana, com duração aproximada de 15 minutos.   Além de orar, escolhemos um trecho curto do Evangelho Segundo o Espiritismo para ler. Atualmente estamos lendo o Evangelho em seqüência.

 

Como já foi dito, não há roteiro obrigatório a ser seguido.

 

Reunir a família em torno da oração e de pensamentos edificantes traz benefícios incalculáveis. 

 

***

 

Para informações mais detalhadas sobre o Culto Cristão no Lar, como o que é, quais benefícios traz, dicas para realizá-lo e como foi iniciado por Jesus, clique aqui.

Para baixar nossa sugestão de roteiro do Culto Cristão, clique aqui (arquivo .pdf).  O endereço de e-mail citado no roteiro não está mais ativo.

.

Para realizar o download do Evangelho Segundo o Espiritismo e das demais obras básicas da Doutrina Espírita gratuitamente e sem infração à legislação de direitos autorais, clique aqui.

 

Para abrir arquivos no formato pdf, é necessário o programa Acrobat Reader, que pode ser encontrado para download grátis clicando aqui.

“Largue qualquer sombra do passado ao chão do tempo, qual a árvore que lança de si as folhas mortas”.

André Luiz

Por favor, clique sobre a imagem para ampliá-la e salve-a em seu computador, caso deseje utilizá-la como papel de parede (800×600):

A humildade não está na pobreza,

não está na indigência,

na penúria, na necessidade,

na nudez e nem na fome.

A humildade está na pessoa que tendo

o direito de reclamar, julgar, reprovar

e tomar qualquer atitude

compreensível no brio pessoal, apenas abençoa.

 

 

Emmanuel

 

Do site Universo Espírita

 

 

Clique por favor na imagem abaixo para ampliar o papel de parede (800 x 600) e salvá-lo em seu computador:

A idéia clara e precisa que se faça da vida futura proporciona inabalável fé no porvir, fé que acarreta enormes conseqüências sobre a moralização dos homens, porque muda completamente o ponto de vista sob o qual encaram eles a vida terrena. Para quem se coloca, pelo pensamento, na vida espiritual, que é indefinida, a vida corpórea se torna simples passagem, breve estada num pai ingrato. As vicissitudes e tribulações dessa vida não passam de incidentes que ele suporta com paciência, por sabê-las de curta duração, devendo seguir-se- lhes um estado mais ditoso. A morte nada mais restará de aterrador; deixa de ser a porta que se abre para o nada e torna-se a que dá para a libertação, pela qual entra o exilado numa mansão de bem-aventurança e de paz. Sabendo temporária e não definitiva a sua estada no lugar onde se encontra, menos atenção presta às preocupações da vida, resultando-lhe daí uma calma de espírito que tira àquela muito do seu amargor.

 

 

Pelo simples fato de duvidar da vida futura, o homem dirige todos os seus pensamentos para a vida terrestre. Sem nenhuma certeza quanto ao porvir, dá tudo ao presente. Nenhum bem divisando mais precioso do que os da Terra, torna-se qual a criança que nada mais vê além de seus brinquedos. E não há o que não faça para conseguir os únicos bens que se lhe afiguram reais. A perda do menor deles lhe ocasiona causticante pesar; um engano, uma decepção, uma ambição insatisfeita, uma injustiça de que seja vítima, o orgulho ou a vaidade feridos são outros tantos tormentos, que lhe transformam a existência numa perene angústia, infligindo-se ele, desse modo, a si próprio, verdadeira tortura de todos os instantes. Colocando o ponto de vista, de onde considera a vida corpórea, no lugar mesmo em que ele aí se encontra, vastas proporções assume tudo o que o rodeia. O mal que o atinja, como o bem que toque aos outros, grande importância adquire aos seus olhos. Aquele que se acha no interior de uma cidade, tudo lhe parece grande: assim os homens que ocupem as altas posições, como os monumentos. Suba ele, porém, a uma montanha, e logo bem pequenos lhe parecerão homens e coisas.

 

 

É o que sucede ao que encara a vida terrestre do ponto de vista da vida futura; a Humanidade, tanto quanto as estrelas do firmamento, perde-se na imensidade. Percebe então que grandes e pequenos estão confundidos, como formigas sobre um montículo de terra; que proletários e potentados são da mesma estatura, e lamenta que essas criaturas efêmeras a tantas canseiras se entreguem para conquistar um lugar que tão pouco as elevará e que por tão pouco tempo conservarão. Daí se segue que a importância dada aos bens terrenos está sempre em razão inversa da fé na vida futura.

 

 

Extraído da obra: O Evangelho Segundo o Espiritismo, de Allan Kardec. Tradução de Guillon Ribeiro, Editora FEB, 112ª edição, p. 66 (versão do site Domínio Público).

 

 

***

 

Mais:

 

**Para baixar o O Evangelho Segundo o Espiritismo gratuitamente e sem infringir leis de direitos autorais, clique aqui (site Domínio Público).

 

**Seção Estudos (publicada às quartas-feiras)

 

**Seção Perguntas & Respostas.

 

**As Obras Básicas da Doutrina Espírita– download gratuito  .

 

 

 

 

 

 

Conservemos conosco, portanto, a bênção desse ponto de vista, não somente para o ano vindouro, mas por toda a nossa existência, a fim de despojarmo-nos de muitas de nossas aflições e aprendermos a valorizar o que realmente importa, os bens imperecíveis.

 

 

Agradecemos muito a sua companhia no ano que passou!

 

Que as bênçãos de Jesus continuem a nos iluminar o caminho neste novo ano!

 

Feliz 2009!

Paz e luz!

(Continuação do estudo das semanas anteriores. Vide “Da natureza Divina – parte I” e “Da natureza Divina – parte II”).

 

 

Deus é único. A unicidade de Deus é conseqüência do fato de serem infinitas as suas perfeições. Não poderia existir outro Deus, salvo sob a condição de ser igualmente infinito em todas as coisas, visto que, se houvesse entre eles a mais ligeira diferença, um seria inferior ao outro, subordinado ao poder desse outro e, então, não seria Deus. Se houvesse entre ambos igualdade absoluta, isso equivaleria a existir, de toda eternidade, um mesmo pensamento, uma mesma vontade, um mesmo poder. Confundidos assim, quanto à identidade, não haveria, em realidade, mais que um único Deus. Se cada um tivesse atribuições especiais, um não faria o que o outro fizesse; mas, então, não existiria igualdade perfeita entre eles, pois que nenhum possuiria a autoridade soberana.

 

A ignorância do princípio de que são infinitas as perfeições de Deus foi que gerou o politeísmo, culto adotado por todos os povos primitivos, que davam o atributo de divindade a todo poder que lhes parecia acima dos poderes inerentes à Humanidade. Mais tarde, a razão os levou a reunir essas diversas potências numa só. Depois, à proporção que os homens foram compreendendo a essência dos atributos divinos, retiraram dos símbolos, que haviam criado, a crença que implicava a negação desses atributos.

 

Em resumo, Deus não pode ser Deus, senão sob a condição de que nenhum outro o ultrapasse, porquanto o ser que o excedesse no que quer que fosse, ainda que apenas na grossura de um cabelo, é que seria o verdadeiro Deus. Para que tal não se dê, indispensável se torna que ele seja infinito em tudo.

 

É assim que, comprovada pelas suas obras a existência de Deus, por simples dedução lógica se chega a determinar os atributos que o caracterizam.

 

Deus é, pois, a inteligência suprema e soberana, é único, eterno, imutável, imaterial, onipotente, soberanamente justo e bom, infinito em todas as perfeições, e não pode ser diverso disso.

 

Confira também: “Da natureza Divina – Parte I” e “Da natureza Divina – Parte II”.

 

 

 

Extraído da obra “A Gênese, de Allan Kardec. Versão encontrada no site Domínio Público.

 

***

 

Mais:

espaço

**Seção Estudos (publicada às quartas-feiras)

espaço

**Para baixar “A Gênese” gratuitamente e sem infringir leis de direitos autorais clique aqui (site Domínio Público).

espaço

**Para conhecer as Obras Básicas da Doutrina Espírita clique aqui.

espaço

**As Obras Básicas da Doutrina Espírita– download gratuito  .

(Continuação do estudo da semana anterior. Para ler “Da natureza Divina – Parte I”, clique aqui).

 

 

 

Deus é onipotente. Se não possuísse o poder supremo, sempre se poderia conceber uma entidade mais poderosa e assim por diante, até chegar-se ao ser cuja potencialidade nenhum outro ultrapassasse. Esse então é que seria Deus.

 

Deus é soberanamente justo e bom. A providencial sabedoria das leis divinas se revela nas mais pequeninas coisas, como nas maiores, não permitindo essa sabedoria que se duvide da sua justiça, nem da sua bondade.

 

O fato do ser infinita uma qualidade, exclui a possibilidade de uma qualidade contrária, porque esta a apoucaria ou anularia. Um ser infinitamente bom não poderia conter a mais insignificante parcela de malignidade, nem o ser infinitamente mau conter a mais insignificante parcela de bondade, do mesmo modo que um objeto não pode ser de um negro absoluto, com a mais ligeira nuança de branco, nem de um branco absoluto com a mais pequenina mancha preta.

 

Deus, pois, não poderia ser simultaneamente bom e mau, porque então, não possuindo qualquer dessas duas qualidades no grau supremo, não seria Deus; todas as coisas estariam sujeitas ao seu capricho e para nenhuma haveria estabilidade. Não poderia ele, por conseguinte, deixar de ser ou infinitamente bom ou infinitamente mau. Ora, como suas obras dão testemunho da sua sabedoria, da sua bondade e da sua solicitude, concluir-se-á que, não podendo ser ao mesmo tempo bom e mau sem deixar de ser Deus, ele necessariamente tem de ser infinitamente bom.

 

A soberana bondade implica a soberana justiça, porquanto, se ele procedesse injustamente ou com parcialidade numa só circunstância que fosse, ou com relação a uma só de suas criaturas, já não seria soberanamente justo e, em conseqüência, já não seria soberanamente bom.

 

Deus é infinitamente perfeito. É impossível conceber-se Deus sem o infinito das perfeições, sem o que não seria Deus, pois sempre se poderia conceber um ser que possuísse o que lhe faltasse. Para que nenhum ser possa ultrapassá-lo, faz-se mister que ele seja infinito em tudo.

 

Sendo infinitos, os atributos de Deus não são suscetíveis nem de aumento, nem de diminuição, visto que do contrário não seriam infinitos e Deus não seria perfeito. Se lhe tirassem a qualquer dos atributos a mais mínima parcela, já não haveria Deus, pois que poderia existir um ser mais perfeito.

 

A continuação desse estudo será publicada na próxima quarta-feira.

 

Confira também: “Da natureza Divina – Parte I

 

 

Extraído da obra “A Gênese”, de Allan Kardec. Versão encontrada no site Domínio Público.

 

***

 

Mais:

espaço

**Seção Estudos (publicada às quartas-feiras)

espaço

**Para baixar “A Gênese” gratuitamente e sem infringir leis de direitos autorais clique aqui (site Domínio Público).

espaço

**Para conhecer as Obras Básicas da Doutrina Espírita clique aqui.

espaço

**As Obras Básicas da Doutrina Espírita– download gratuito  .

Não é dado ao homem sondar a natureza íntima de Deus. Para compreendê-lo, ainda nos falta o sentido próprio, que só se adquire por meio da completa depuração do Espírito. Mas, se não pode penetrar na essência de Deus, o homem, desde que aceite como premissa a sua existência, pode, pelo raciocínio, chegar a conhecer-lhe os atributos necessários, porquanto, vendo o que ele absolutamente não pode ser, sem deixar de ser Deus, deduz daí o que ele deve ser.

 

Sem o conhecimento dos atributos de Deus, impossível seria compreender-se a obra da criação. Esse o ponto de partida de todas as crenças religiosas e é por não se terem reportado a isso, como ao farol capaz de as orientar, que a maioria das religiões errou em seus dogmas. As que não atribuíram a Deus a onipotência imaginaram muitos deuses; as que não lhe atribuíram soberana bondade fizeram dele um Deus cioso, colérico, parcial e vingativo.

 

Deus é a suprema e soberana inteligência. É limitada a inteligência do homem, pois que não pode fazer, nem compreender tudo o que existe. A de Deus, abrangendo o infinito, tem que ser infinita. Se a supuséssemos limitada num ponto qualquer, poderíamos conceber outro ser mais inteligente, capaz de compreender e fazer o que o primeiro não faria e assim por diante, até ao infinito.

 

Deus é eterno, isto é, não teve começo e não terá fim. Se tivesse tido princípio, houvera saído do nada. Ora, não sendo o nada coisa alguma, coisa nenhuma pode produzir. Ou, então, teria sido criado por outro ser anterior e, nesse caso, este ser é que seria Deus. Se lhe supuséssemos um começo ou fim, poderíamos conceber uma entidade existente antes dele e capaz de lhe sobreviver, e assim por diante, ao infinito.

 

Deus é imutável. Se estivesse sujeito a mudanças, nenhuma estabilidade teriam as leis que regem o Universo.

 

Deus é imaterial, isto é, a sua natureza difere de tudo o que chamamos matéria. De outro modo, não seria imutável, pois estaria sujeito às transformações da matéria.

 

Deus carece de forma apreciável pelos nossos sentidos, sem o que seria matéria. Dizemos: a mão de Deus, o olho de Deus, a boca de Deus, porque o homem, nada mais conhecendo além de si mesmo, toma a si próprio por termo de comparação para tudo o que não compreende. São ridículas essas imagens em que Deus é representado pela figura de um ancião de longas barbas e envolto num manto. Têm o inconveniente de rebaixar o Ente supremo até às mesquinhas proporções da Humanidade. Daí a lhe emprestarem as paixões humanas e a fazerem-no um Deus colérico e cioso não vai mais que um passo.

 

A continuação desse estudo será publicada na próxima quarta-feira.

 

 

Extraído da obra “A Gênese”, de Allan Kardec. Versão encontrada no site Domínio Público.

 

***

 

Mais:

espaço

**Seção Estudos (publicada às quartas-feiras)

espaço

**Para baixar “A Gênese” gratuitamente e sem infringir leis de direitos autorais clique aqui (site Domínio Público).

espaço

**Para conhecer as Obras Básicas da Doutrina Espírita clique aqui.

espaço

**As Obras Básicas da Doutrina Espírita– download gratuito  .

Há mais de 20 anos realizamos o Culto Cristão em nosso lar e podemos afirmar com certeza que essa reunião é fonte de bênçãos, paz e harmonia para a família.  

 

O Culto no Lar não foi criado pela Doutrina Espírita, e sim por Jesus Cristo. Sua finalidade maior é a de reunir a família para a elevação dos pensamentos ao Criador. Portanto, cada família adapta o Culto às suas crenças/religião, não havendo um roteiro obrigatório a ser seguido. É importante que sejam fixados dia e horário adequados para os participantes. Após estabelecidos, o dia e o horário não devem ser mudados, facilitando a aquisição do hábito. Recomenda-se que o Culto não seja longo.

 

Disponibilizamos aqui no blog o roteiro da reunião que fazemos em nosso lar uma vez por semana, com duração aproximada de 15 minutos.   Além de orar, escolhemos um trecho curto do Evangelho Segundo o Espiritismo para ler. Atualmente estamos lendo o Evangelho em seqüência.

 

Como já foi dito, não há roteiro obrigatório a ser seguido.

 

Reunir a família em torno da oração e de pensamentos edificantes traz benefícios incalculáveis. Experimentem.

 

Paz e luz a todos,     

         assinatura

 

***

 

Para informações mais detalhadas sobre o Culto Cristão no Lar, como o que é, quais benefícios traz, dicas para realizá-lo e como foi iniciado por Jesus, clique aqui.

 

Para baixar nossa sugestão de roteiro do Culto Cristão, clique aqui (arquivo .pdf) ou aqui (arquivo .doc – Word).  

.

 

Para realizar o download do Evangelho Segundo o Espiritismo e das demais obras básicas da Doutrina Espírita gratuitamente e sem infração à legislação de direitos autorais, clique aqui.

 

Para abrir arquivos no formato pdf, é necessário o programa Acrobat Reader, que pode ser encontrado para download grátis clicando aqui.

155. Como se opera a separação da alma e do corpo?  

 

“Rotos os laços que a retinham, ela se desprende.”

 

a) — A separação se dá instantaneamente por brusca transição? Haverá alguma linha de demarcação nitidamente traçada entre a vida e a morte?

 

 

“Não; a alma se desprende gradualmente, não se escapa como um pássaro cativo a que se restitua subitamente a liberdade. Aqueles dois estados se tocam e confundem, de sorte que o Espírito se solta pouco a pouco dos laços que o prendiam. Estes laços se desatam, não se quebram.”

 

Durante a vida, o Espírito se acha preso ao corpo pelo seu envoltório semimaterial ou perispírito. A morte é a destruição do corpo somente, não a desse outro invólucro, que do corpo se separa quando cessa neste a vida orgânica. A observação demonstra que, no instante da morte, o desprendimento do perispírito não se completa subitamente; que, ao contrário, se opera gradualmente e com uma lentidão muito variável conforme os indivíduos. Em uns é bastante rápido, podendo dizer-se que o momento da morte é mais ou menos o da libertação. Em outros, naqueles sobretudo cuja vida foi toda material e sensual, o desprendimento é muito menos rápido, durando algumas vezes dias, semanas e até meses, o que não implica existir, no corpo, a menor vitalidade, nem a possibilidade de volver à vida, mas uma simples afinidade com o Espírito, afinidade que guarda sempre proporção com a preponderância que, durante a vida, o Espírito deu à matéria. É, com efeito, racional conceber-se que, quanto mais o Espírito se haja identificado com a matéria, tanto mais penoso lhe seja separar-se dela; ao passo que a atividade intelectual e moral, a elevação dos pensamentos operam um começo de desprendimento, mesmo durante a vida do corpo, de modo que, em chegando a morte, ele é quase instantâneo. Tal o resultado dos estudos feitos em todos os indivíduos que se têm podido observar por ocasião da morte. Essas observações ainda provam que a afinidade, persistente entre a alma e o corpo, em certos indivíduos, é, às vezes, muito penosa, porquanto o Espírito pode experimentar o horror da decomposição. Este caso, porém, é excepcional e peculiar a certos gêneros de vida e a certos gêneros de morte. Verifica-se com alguns, suicidas.

 

Extraído da obra: O Livro dos Espíritos, de Allan Kardec.

 

Mais:

 

**Para baixar o O Livro dos Espíritos gratuitamente e sem infringir leis de direitos autorais, clique aqui (site Domínio Público).

 

**Seção Estudos (publicada às quartas-feiras)

 

**Seção Perguntas & Respostas.

 

**As Obras Básicas da Doutrina Espírita– download gratuito  .

(Instruções dos Espíritos)

espaço

            Para ser proveitosa, a fé tem de ser ativa; não deve entorpecer-se. Mãe de todas as virtudes que conduzem a Deus, cumpre-lhe velar atentamente pelo desenvolvimento dos filhos que gerou. A esperança e a caridade são corolários da fé e formam com esta uma trindade inseparável. Não é a fé que faculta a esperança na realização das promessas do Senhor? Se não tiverdes fé, que esperareis? Não é a fé que dá o amor? Se não tendes fé, qual será o vosso reconhecimento e, portanto, o vosso amor? Inspiração divina, a fé desperta todos os instintos nobres que encaminham o homem para o bem. É a base da regeneração. Preciso é, pois, que essa base seja forte e durável, porquanto, se a mais ligeira dúvida a abalar, que será do edifício que sobre ela construirdes? Levantai, conseguintemente, esse edifício sobre alicerces inamovíveis. Seja mais forte a vossa fé do que os sofismas e as zombarias dos incrédulos, visto que a fé que não afronta o ridículo dos homens não é fé verdadeira.

espaço

            A fé sincera é empolgante e contagiosa; comunica-se aos que não na tinham, ou, mesmo, não desejariam tê-la. Encontra palavras persuasivas que vão à alma, ao passo que a fé aparente usa de palavras sonoras que deixam frio e indiferente quem as escuta. Pregai pelo exemplo da vossa fé, para a incutirdes nos homens. Pregai pelo exemplo das vossas obras para lhes demonstrardes o merecimento da fé. Pregai pela vossa esperança firme, para lhes dardes a ver a confiança que fortifica e põe a criatura em condições de enfrentar todas as vicissitudes da vida.

espaço

            Tende, pois, a fé, com o que ela contém de belo e de bom, com a sua pureza, com a sua racionalidade. Não admitais a fé sem comprovação, cega filha da cegueira. Amai a Deus, mas sabendo porque o amais; crede nas suas promessas, mas sabendo porque acreditais nelas; segui os nossos conselhos, mas compenetrados do fim que vos apontamos e dos meios que vos trazemos para o atingirdes. Crede e esperai sem desfalecimento: os milagres são obras da fé.

espaçoJosé, Espírito protetor (Bordeaux, 1862)

espaço

Extraído da obra: “O Evangelho Segundo o Espiritismo”

espaço

Imagem: Image Shack

espaço

Mais:

espaço

**Seção Estudos (publicada às quartas-feiras)

espaço

**Para baixar “O Evangelho Segundo o Espiritismo” gratuitamente e sem infringir leis de direitos autorais clique aqui (site Domínio Público).

espaço

**Para conhecer as Obras Básicas da Doutrina Espírita clique aqui.

espaço

**As Obras Básicas da Doutrina Espírita– download gratuito  .

 

76. Que definição se pode dar dos Espíritos?

“Pode dizer-se que os Espíritos são os seres inteligentes da criação. Povoam o Universo, fora do mundo material.”

 

Extraído da obra: O Livro dos Espíritos, de Allan Kardec.

 

Mais:

**Para baixar o O Livro dos Espíritos gratuitamente e sem infringir leis de direitos autorais, clique aqui (site Domínio Público).

 

**Seção Estudos (publicada às quartas-feiras)

 

**Seção Perguntas & Respostas.

 

**As Obras Básicas da Doutrina Espírita– download gratuito  .

 

 

 

 

 

 

 

Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts.

Junte-se a 15.059 outros seguidores

Twitter:

Anúncios publicitários & Direitos autorais:

Anúncios que porventura apareçam no site são de inteira responsabilidade do Wordpress, que é o destinatário dos lucros com eles obtidos, e não têm absolutamente nenhuma relação com o conteúdo ou com os responsáveis pelo Blog Meditando.

Não temos qualquer intenção de lucro com este blog.
***
Complementando o que foi dito acima, afirmamos que o único objetivo deste blog é divulgar a Doutrina Espírita. Buscamos obedecer as leis dos homens, ato que também configura respeito a Deus.

Ao publicarmos mensagens e trechos de obras, nosso único intento é divulgar o Espiritismo,e não de distribuir livros ou qualquer material de forma ilegal. Por isso, caso o detentor dos direitos de qualquer material aqui publicado julgue que ele deve ser retirado, por gentileza contate-nos via comentário no blog e o faremos prontamente. Repetimos, respeitamos as leis dos homens e os direitos alheios, como modo de respeito a Deus.
***
E, mais uma vez, agradecemos a sua companhia! Sejam bem-vindos!

Estamos à disposição!

Para contatar-nos, deixe um comentário no blog. Este blog não mais possui endereço de e-mail ativo para contato, apesar de ainda constar tal informação em algumas postagens antigas.

Seja bem-vindo!

IP Address Lookup

Blog Meditando no Twitter

Meditando em outros idiomas:

Chico Xavier:

Meditando ao redor do mundo

Mensagens espíritas aleatórias:

Pesquisar

RSS Mais artigos espíritas:

  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.

Atualizações deste blog no Twitter@alunosdeKardec

Seções

Baú de Meditações

Nossos arquivos:

junho 2017
D S T Q Q S S
« maio    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930  

Agradecemos a sua visita!

Divulgue a Doutrina Espírita

%d blogueiros gostam disto: